Quinta, Dezembro 14, 2017
redacao@fatopaulista.com.br / fatopaulista@hotmail.com Telefone: (11) 2849-1454 ::: Ano IX - Edição n º 257
Segunda, 24 Julho 2017 08:15

Os 17 anos do Samba da Vela Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

O tradicional Samba da Vela comemora 17 anos no Clube Banespa com grande evento com homenagens, esquetes teatrais dos atores Gero Camilo e Vitor, apresentação de Biro do Cavaco, homenagens e claro uma bela roda de samba com a vela sempre acesa.

 

Era uma segunda feira de 2000, inicio de um novo século quando quatro jovens compositores iniciaram uma roda de samba para apresentar novas composições aos amigos. Como um ritual acederam uma vela e disseram que o samba somente acabaria depois da vela apagar. Assim foi que Chapinha, Paquera (já falecido), Magnu e Marcilio deram início ao Samba da Vela. Assim se foi a cada segunda feira, sempre com uma vela acesa.
As semanas foram passando os quatro jovens compositores ganharam companheiros que também queriam mostrar as suas obras. Ao longo dos anos, mais de 300 compositores saíram do anonimato, dezenas deles gravaram e muitas ganharam notoriedade nacional. Como explica Chapinha.
Quando perguntado se o Samba da Vela se tornou uma instituição, com a humildade dos grande de alma ele minimiza. “Não, somente é uma roda de samba”.
Os anos passaram e as segunda feiras foram recebendo cada vez mais novos compositores além de presenças ilustres como Diogo Nogueira, Seu Jorge e Beth Carvalho que prestigiaram o Samba da Vela.
O Samba da Vela comemorou 17 anos de vida no dia 17 de julho e como uma obra do acaso o dia 17 caiu justamente em uma segunda feira o que encheu de nostalgia ainda mais todos que hoje integram a organização do evento. O Clube do Banespa recebeu um público de mais de mil pessoas que prestigiaram o evento, entre eles personalidades como o compositor de dezenas de sucessos Chiquinho dos Santos e o ex-senador e atual vereador Eduardo Suplicy, que durante entrevista ao Fato Paulista parabenizou Chapinha e os demais fundadores e organizadores e classificou o Samba da Vela como uma resistência cultural como o rap. E não deixou por menos e cantou trechos do sucesso de Tom Jobim Tristeza não Tem Fim, Felicidade Sim.
Vale destacar que o Samba da Vela deu origem a dezenas de outras comunidades do samba que dão espaço para novo autores. Várias comunidades espalhadas pelos quatro cantos da cidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ler 365 vezes
Luiz Mário Romero

Diretor Responsável: Luiz Mário Romero - MTB 34.256

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.